11 dezembro, 2010

DESDÉM

Andas dum lado pro outro
Pela rua passando;
Finges que não queres ver
Mas sempre me vais olhando.
É um olhar fugídio,
Olhar que dura um instante,
Mas deixa um rasto d'estrelas
O doce olhar saltitante...

É este rasto bendito
Que atraiçoa o teu olhar,
Pois é tão leve e fugaz
Que eu nem o sinto passar!

Quem tem uns olhos assim
E quer fingir o desdém,
Não pode nem um instante
Olhar os olhos d'alguém...
Por isso vai caminhando...
E se queres a muita gente
Demonstrar que me desprezas
Olha os meus olhos de frente!...

Florbela Espanca

10 dezembro, 2010

MADRE TERESA

“Não ames pela beleza, pois um dia ela acabará. Não ames por admiração, pois um dia desiludir-te-ás. Ama apenas, pois o tempo nunca pode acabar com um amor sem explicação.
Madre Teresa de Calcutá
http://www.frasesgospel.com.br/madre-teresa-de-calcuta/

"Mudei de Mundo, tenho Parkinson"

Sou filha de uma parsoniana, e ao ler essa postagem, me identifiquei da primeira vírgula, ao último ponto.

Mamãe, eu e minha filha

"Mudei de Mundo, tenho Parkinson"
Decidi escrever um breve texto sobre esta complicada doença, pois tenho um familiar muito próximo que tem Parkinson e aprendi que é muito importante estar a par da mesma.
Descrita primeiramente por James Parkinson em "An Essay on the Shaking Pulse" (1817) a doença de Parkinson é um dos distúrbios do movimento que mais acomete os idosos. É caracterizada por quatro sinais essenciais: rigidez muscular, tremor de repouso, hipocinesia (diminuição da mobilidade) e instabilidade postural. A doença de Parkinson é um desequilíbrio do sistema nervoso central que afecta milhares de pessoas. Porque não é contagioso, a incidência da doença é frequentemente subestimada. A doença de Parkinson pode aparecer em qualquer idade, mas é pouco comum nas pessoas com idade inferior a 30 anos. Ocorre em todas as partes do mundo, e os homens são ligeiramente mais afectados do que mulheres.
Esta doença é insidiosa, podendo começar às vezes com um tremor, outras vezes com falta de mímica facial, diminuição do piscar, olhar fixo, movimentos lentos (bradicinesia). A voz poderá ser monótona, escorrendo com facilidade saliva pelos cantos da boca.
A marcha fica cada vez mais difícil, com passos pequenos, arrastando os pés, com os braços encolhidos, tronco inclinado e, em casos avançados a pessoa aumenta a velocidade da marcha para não cair (festinação). Outras vezes, pode ficar parado (congelado) com enorme dificuldade para se colocar em movimento.
Os tremores, que são involuntários, em uma ou em várias partes do corpo, caracterizam-se pelos três "R's" - Regular, Rítmico e de Repouso. Também se caracterizam por diminuir com os movimentos voluntários, manifestando-se sobretudo nas mãos.
Como existe uma hipocinesia, que se caracteriza por um deficit dos movimentos automáticos, o paciente fica como que parado, estático, com os movimentos voluntários lentos, diminuindo a capacidade inclusive de escrever, ficando a letra pequena (micrografia) e a linguagem monótona e às vezes ininteligível.
O diagnóstico na fase inicial, muitas vezes não é fácil, sendo que, o mesmo deverá ser realizado por um médico, preferencialmente neurologista, que dirá se a causa é idiopática (causa desconhecida), ou se é devido a outras causas. Os sintomas acima referidos podem ser devidos a medicamentos variados (fenotiazinas, haloperidol, reserpina, lítio, cinarizinas, flunarizina), porém, nesse caso, não costumam ser tão intensos.
Intoxicação por monóxido de carbono ou manganês, enfartes cerebrais dos gânglios de base, hidrocefalia, traumatismos cranioencefálicos, encefalites, podem ser a causa desta doença, que tem tratamento e controle, porém não tem cura.
O diagnóstico à medida que o tempo passa torna-se mais nítido, evidente e fácil (a exemplo e imagem do Papa João Paulo II). Cada indivíduo responde diferentemente ao tratamento e o que favorece um paciente pode desfavorecer outro. É necessário corrigir a diminuição progressiva da dopamina com calma.
O tratamento consiste no uso de medicamentos, fisioterapia, psicoterapia e, em alguns casos seleccionados, cirurgia. É importante tomar cuidado com certos tipos de medicamentos que desencadeiam ou pioram a síndrome Parkinsoniana.
NOTA: Quem convive com portadores da síndrome Parkinsoniana deve tomar alguns cuidados, a fim de melhorar a qualidade de vida e a segurança nas actividades diárias: Mantenha as áreas de circulação livres de móveis e de tapetes soltos, instale luzes para circulação nocturna, mantenha o piso da banheira com tapetes antiderrapantes, entre muitos outros. Também é importante tentar consciencializar o doente que deve: elevar o pé do chão a cada passo; procurar dormir deitado de lado, a fim de não se engasgar com a saliva; não subir escadas ou cadeiras para pegar em objectos que se encontrem em lugares altos; evitar o uso de roupas com botões ou fechos pequenos, que dificultem a manipulação; ao levantar-se da cama, apoiar bem os pés no chão, para ter impulso e ficar em pé.
É mesmo muito importante mantermo-nos informados sobre doenças que podem aparecer a qualquer momento e quando menos esperamos!!

Extraída do Blog: O amor a força mais suctíl do mundo
http://oamoreaforcamaissubtildomundo.blogspot.com/2010/07/mudei-de-mundo-tenho-parkinson.html

HISTÓRIA DO NATAL DIGITAL

08 dezembro, 2010

Tenho frio e ardo em febre!

Tenho frio e ardo em febre!
O amor me acalma e endouda!
 O amor me eleva e abate!
Quem há que os laços, que me prendem, quebre?
Que singular, que desigual combate!
Não sei que ervada flecha
Mão certeira e falaz me cravou com tal jeito,
Que, sem que eu a sentisse, a estreita brecha
Abriu, por onde o amor entrou meu peito.

O amor me entrou tão cauto
O incauto coração, que eu nem cuidei que estava,
Ao recebê-lo, recebendo o arauto
Desta loucura desvairada e brava.
Entrou. E, apenas dentro,
Deu-me a calma do céu e a agitação do inferno...
E hoje... ai de mim!, que dentro em mim concentro
Dores e gostos num lutar eterno!
O amor, Senhora, vede:
Prendeu-me. Em vão me estorço, e me debato, e grito;
Em vão me agito na apertada rede...
Mais me embaraço quanto mais me agito!
Falta-me o senso: a esmo,
Como um cego, a tatear, busco nem sei que porto:
E ando tão diferente de mim mesmo,
Que nem sei se estou vivo ou se estou morto.
Sei que entre as nuvens paira
Minha fronte, e meus pés andam pisando a terra;
Sei que tudo me alegra e me desvaira,
E a paz desfruto, suportando a guerra.

E assim peno e assim vivo:
Que diverso querer! Que diversa vontade!
Se estou livre, desejo estar cativo;
Se cativo, desejo a liberdade!
E assim vivo, e assim peno:
Tenho a boca a sorrir e os olhos cheios de água;
E acho o néctar num cálix de veneno,
A chorar de prazer e a rir de mágoa.
Infinda mágoa! Infindo
Prazer! Pranto gostoso e sorrisos convulsos!
Ah! Como dói assim viver, sentindo
Asas nos ombros e grilhões nos pulsos!
Olavo Bilac
(1865-1918)

04 dezembro, 2010

PASSARIM TODIM


 
Passarim todim
(Eudes Fraga / Marcos Quinan / Iranildo Pereira)


Hoje sou sabiá

Voei procurando meu bem

O meu canto acauã, eu sei

É saudade de alguém



Já senti muita dor também

Assum preto que sou

Fui cancão no terreiro, vem-vém

Só por causa do amor



Asa branca voou, voou

Rosinha chorou

E a légua tirana levou

Meu pedaço de chão



Juriti só cantou, cantou

Gavião quis bicar, bicou

Patativa no céu contou

Cantos de arribação



A Rolinha pousou, pousou

Rodeou minha mão, ciscou

Trouxe junto o uirapuru

Pra cantar um baião



Hoje sou passarim todim, todim

São, são todos em mim cantando assim

Hoje sou passarim todim, todim

Sou Luiz, sou baião vim-vim, vim-vim

03 dezembro, 2010

PASSARIM - Tom Jobim

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro partiu mas não pegou
Passarinho me conta então me diz
Porque que eu também não fui feliz
Me diz o que eu faço da paixão
Que me devora o coração
Que me devora o coração
Que me maltrata o coração
Que me maltrata o coração

E o mato que é bom, o fogo queimou
Cadê o fogo, a água apagou
E cadê a água, o boi bebeu
Cadê o amor, o gato comeu
E a cinza espalhou
E a chuva carregou
Cadê meu amor que o vento levou

(Passarim quis pousar, não deu, voou)
Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro feriu mas não matou
Passarinho me conta então me diz
Por que que eu também não fui feliz
Cadê meu amor minha canção
Que me alegrava o coração
Que me alegrava o coração
Que iluminava o coração
Que iluminava a escuridão

Cadê meu caminho a água levou
Cadê meu rastro, a chuva apagou
E a minha casa, o rio carregou
E o meu amor me abandonou
Voou, voou, voou
Voou, voou, voou
E passou o tempo e o vento levou

Passarim quis pousar, não deu, voou
Porque o tiro feriu mas não matou
Passarinho me conta então, me diz
Por que que eu também não fui feliz
Cadê meu amor minha canção
Que me alegrava o coração
Que me alegrava o coração
Que iluminava o coração
Que iluminava a escuridão
E a luz da manhã, o dia queimou
Cadê o dia, envelheceu
E a tarde caiu e o sol morreu
E de repente escureceu
E a lua então brilhou
Depois sumiu no breu
E ficou tão frio que amanheceu
(Passarim quis pousar, não deu, voou)
Passarim quis pousar não deu
Voou, voou, voou, voou, voou.

01 dezembro, 2010